quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

RECOMENDAÇÃO: HOTARUBI NO MORI E (FILME)

 
Hotarubi no Mori e
蛍火の杜へ / Into the Forest of Fireflies' Light; The Light of a Firefly Forest  
 
Gênero: Romance, Drama, Shoujo, Supernatural.
Lançamento: 2011.
Duração: 45 minutos.
Autor: Midorikawa Yuki
Direção: Takahiro Omori
Estúdio: Brain’s Base.
Trilha sonora: Makoto Yoshimori.
 
Sinopse: "A história de Hotarubi no Mori e se foca em uma pequena garota chamada Hotaru. Ela se perde em uma floresta que popularmente é dita como uma floresta em que se reside vários espirítos. Na floresta Hotaru se depara com um jovem utilizando uma máscara de raposa. Ele se diz um espirito com uma maldição que no momento que um humano tocá-lo ele irá desaparecer".
 
Hotarubi no Mori e foi mais um curta do que um filme. Foram os 45 minutos mais rápidos da minha vida. Animação perfeita e uma expressão maravilhosa por parte dos personagens, principalmente da Hotaru.
 

 

Hotarubi foi escolhido como uma das melhores animações de 2011. A história é simplesmente maravilhosa e linda de acompanhar. Esperem por um filme bem fofo e com um amor muito puro e inocente. A trilha sonora também é muito gostosa de ouvir, traz ainda mais sentimento para as cenas.
 
A personagem principal, Hotaru, é mostrada desde criança até a adolescência durante o filme. Achei uma graça podermos acompanhar o crescimento e o amadurecimento dos sentimentos dela pelo Gin.

 
É muito marcante o tipo de animação, eu particularmente adoro esses traços mais sérios e simples. Reparem a semelhança do traço com o anime Natsume Yuujinchou, que também foi realizado pela mesma autora, Midorikawa Yuki.
Falando um pouco sobre o diretor, Takahiro já se responsabilizou por animes como Durarara!! e Baccano. O estúdio Brain’s Base tem participação com os mesmos animes já citados, embora eu não goste de alguns projetos mais antigos realizado por eles como o anime Bokura wa Minna Kawaisou que dropei logo de início. Mas fiquem tranquilos pois em Hotarubi eles arrasaram.
 
 
 
O filme traz bastante da cultura japonesa, em relação a lendas e espíritos. 
Há uma cena onde são mostrados Gin e Hotaru, a cena se passa em um templo, só depois que fui perceber que o cenário é real, existe de verdade e isso não é incomum. As cidades do Japão são em sua grande maioria, usadas como referência para os cenários, na minha opinião torna tudo mais vivo e real.
 
O curta também possui um mangá, para aqueles que não se sentirem satisfeitos com os míseros 45 minutos que o filme oferece. O mangá é separado em 4 capítulos, cada um mostrando uma estação do ano na qual a Hotaru foi visitar o Gin, e o adicional de um capítulo extra. Eu particularmente não cheguei a ler, mas acredito não ir além do que o filme oferece. (Vou estar conferindo)
 
 
O que acharam? Deixe sua opinião aqui também!
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário